NOSSA ESCOLA ESTÁ FICANDO LINDA!

Aos poucos, a nossa escola vai ganhando cores. Uma grande reforma, iniciada em julho, recebe, agora, a pintura geral. As melhorias não interrompem o andamento das aulas.
O início da reforma despertou curiosidade até mesmo nos professores que viam serventes, pedreiros e pintores espalhados por todos os cantos. Hoje, após quase 60 dias, os resultados surpreendem e encantam a todos.
A escola recebeu nas salas de informática, de vídeo e dos professores a troca de piso, forro e pintura. Com a ajuda da equipe escolar, os ambientes foram equipados com novos mobiliários, ficando ainda mais aconchegantes. A sala dos professores conta hoje com um espaçoso banheiro, local para as refeições e até um sofá para que possam descansar no intervalo das aulas. O laboratório de informática está completo com máquinas modernas conectadas a internet. A sala de vídeo também ganhou investimento com uma grande TV LCD.
 
O ambiente externo não ficou fora das melhorias. Duas salas utilizadas para o laboratório de ciências e artes receberam troca de forro, pintura e adaptações de paredes. A quadra esportiva (externa), apesar de ainda estar inacabada, já faz a alegria das crianças que antes, devido a muitos buracos, era pouco utilizada. Além de totalmente recapeada, ganhou arquibancada lateral e passarela para que os cadeirantes tenham acesso.

A reforma completa da EB Gaspar da Costa Moraes custará em torno de R$ 150 mil reais. Neste momento, a equipe responsável concentra-se na pintura externa. Esta é mais uma obra do Programa de Recuperação e Ampliação da Rede Escolar que tem como meta chegar ao final do ano com 40 unidades reformadas.

Alunos do Gaspar na 10ª Feira Regional de Matemática

A Escola Gaspar da Costa Moraes participou, no dia 27 de setembro, da 10ª Feira Regional de Matemática com cinco trabalhos. A Feira de Matemática, todos os anos, reúne escolas do ensino regular de Itajaí que participam da seletiva para a sua versão estadual. Em junho tivemos a seletiva interna, que você pode conferir clicando aqui. Os alunos expõem seus trabalhos desenvolvidos em salas de aula, sempre envolvendo os números. Este ano, o evento aconteceu na Escola Estadual Nereu Ramos, no bairro Fazenda. Abaixo, algumas imagens do evento e dos alunos que representam nossa escola na feira.
Matemática das Abelhas ( Menção Honrosa )
Fernado Alves Conceição e Mariana Ivone Santos
Professor Orientador: Arnoldo de Mattos
 Tangram e as 7 tábuas da Sabedoria ( Participação )
Sthefany Costa Germano e Guilherme Matheus Emerenciano
Professor Orientador: Rosane Ribeiro Souza
O Sorvete e a Matemática 
Destaque como um dos vencedores da X Feira Regional, e deverão representar a escola Gaspar da Costa Moraes, também, na XXVII  Feira Catarinense na cidade de Piratuba nos dias 16/17/18 de novembro de 2011.
Larissa da Silva e Camila Vargas de Aguiar
Professor Orientador: Tatiani da Silva Delfino
Consumo e Devolução ( Participação )
Ana Augusta Skszipa e Thiane Rocha Valério
Professor Orientador: Rita Marta Moreira

CAMPANHA CÍVICA

Abraçando a “Campanha Cívica” do Rotary Club de Balneáriu Camboriú, referente ao Hino Nacional Brasileiro, os alunos da 7ª e 8ª séries, com o intuito de resgatar o respeito e o amor que um cidadão deve ter à sua pátria, revelaram patriotamente uma visualização de sua real compreensão do valor cívico, servindo de exemplo a todos. Trabalho desenvolvido pela professora de Português Rita Marta Moreira.
HINO DA INDEPENDÊNCIA
 
Camila dos Santos – 804
 Já podeis, da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.
 
Gabriel Branco – 802

 *** Brava gente brasileira!
Longe vá… temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.


Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil…
Houve mão mais poderosa:
Zombou deles o Brasil.

 
Elisiani dos Santos – 802

***
Não temais ímpias falanges,
Que apresentam face hostil;
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.

***
Parabéns, ó brasileiro,
Já, com garbo varonil,
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil.

***

Mauro de M. Fortunato – 701

TODAS AS CRIANÇAS SÃO BEM-VINDAS À ESCOLA

 
Palestra, exemplo de vida, do vereador Maurílio Moraes

Nosso objetivo durante a Semana da pessoa com deficiência foi contemplar a proposta importante e delicada de conscientizar nossos alunos de que não podemos mais continuar indiferentes aos inúmeros entraves e obstáculos na infraestrutura das cidades que não facilitam, ou muitas vezes não permitem, a circulação de pessoas com deficiência.

A questão da deficiência em relação à adaptação desta às cidades ainda é tratada como questão isolada, lembrada, vez ou outra, por programas ou propagandas eventuais de televisão. A questão não é tratada, como deveria ser, dentro do âmbito de planejamento integrado em todas as ações do desenvolvimento social e urbano.

Portanto, as pessoas com deficiência jamais devem ser vistas como pessoas inválidas, mas, sim, como cidadãos que também podem contribuir para o desenvolvimento sócio-econômico da sociedade.

A Semana da Pessoa com deficiência, na Escola Gaspar da Costa Moraes, foi muito rica e produtiva em conteúdos para os nossos alunos:

Filme: Ellen keller: cega e surda, superação.
Vivências com cadeiras de rodas
Vivências com bengalas e olhos vendados
Libras
Braille
Autismo

Palestra com o vereador Maurílio Moraes

Apresentação do Grupo “Sensibilizando Para Incluir“, gentilmente cedido pelo Grupo Escolar Elisa Gessele Orsi.

Viviane dos S. Alves, Kátia T. de Souza e Ronan A. Pinheiro
Profissionais responsáveis pela organização da Semana da pessoa com deficiência
“As pessoas com deficiência têm capacidade, basta terem oportunidades.”
Kátia Teixeira de Souza 
Segue abaixo trechos importantes do artigo de Maria Teresa Eglér Mantoan

A inclusão é uma inovação, cujo sentido tem sido muito distorcido e um movimento muito polemizado pelos mais diferentes segmentos educacionais e sociais. No entanto, inserir alunos com déficits de toda ordem, permanentes ou temporários, mais graves ou menos severos no ensino regular nada mais é do que garantir o direito de todos à educação – e assim diz a Constituição !


Inovar não tem necessariamente o sentido do inusitado. As grandes inovações estão, muitas vezes na concretização do óbvio, do simples, do que é possível fazer, mas que precisa ser desvelado, para que possa ser compreendido por todos e aceito sem outras resistências, senão aquelas que dão brilho e vigor ao debate das novidades.

O objetivo de nossa participação neste evento é clarear o sentido da inclusão, como inovação, tornando-o compreensível, aos que se interessam pela educação como um direito de todos, que precisa ser respeitado. Pretendemos, também demonstrar a viabilidade da inclusão pela transformação geral das escolas, visando a atender aos princípios deste novo paradigma educacional.

Para descrever o nosso caminho na direção das escolas inclusivas vamos focalizar nossas experiências, no cenário educacional brasileiro sob três ângulos : o dos desafios provocados por essa inovação, o das ações no sentido de efetivá-la nas turmas escolares, incluindo o trabalho de formação de professores e, finalmente o das perspectivas que se abrem à educação escolar, a partir de sua implementação.

UMA EDUCAÇÃO PARA TODOS
 
Apresentação do Grupo “Sensibilizando Para Incluir” em Língua de Sinais (Libras) dos alunos  do Grupo Escolar Elisa Gessele Orsi,  orientados pelo Intérprete Sandro dos Santos, que emocionaram e sensibilizaram a plateia.

O princípio democrático da educação para todos só se evidencia nos sistemas educacionais que se especializam em todos os alunos, não apenas em alguns deles, os alunos com deficiência. A inclusão, como consequência de um ensino de qualidade para todos os alunos provoca e exige da escola brasileira novos posicionamentos e é um motivo a mais para que o ensino se modernize e para que os professores aperfeiçoem as suas práticas. É uma inovação que implica num esforço de atualização e reestruturação das condições atuais da maioria de nossas escolas de nível básico.


O motivo que sustenta a luta pela inclusão como uma nova perspectiva para as pessoas com deficiência é, sem dúvida, a qualidade de ensino nas escolas públicas e privadas, de modo que se tornem aptas para responder às necessidades de cada um de seus alunos, de acordo com suas especificidades, sem cair nas teias da educação especial e suas modalidades de exclusão.

O sucesso da inclusão de alunos com deficiência na escola regular decorre, portanto, das possibilidades de se conseguir progressos significativos desses alunos na escolaridade, por meio da adequação das práticas pedagógicas à diversidade dos aprendizes. E só se consegue atingir esse sucesso, quando a escola regular assume que as dificuldades de alguns alunos não são apenas deles, mas resultam em grande parte do modo como o ensino é ministrado, a aprendizagem é concebida e avaliada. Pois não apenas as deficientes são excluídas, mas também as que são pobres, as que não vão às aulas porque trabalham, as que pertencem a grupos discriminados, as que de tanto repetir desistiram de estudar.

OS DESAFIOS

Toda criança precisa da escola para aprender e não para marcar passo ou ser segregada em classes especiais e atendimentos à parte. A trajetória escolar não pode ser comparada a um rio perigoso e ameaçador, em cujas águas os alunos podem afundar. Mas há sistemas organizacionais de ensino que tornam esse percurso muito difícil de ser vencido, uma verdadeira competição entre a correnteza do rio e a força dos que querem se manter no seu curso principal.

Um desses sistemas, que muito apropriadamente se denomina “de cascata”, prevê a exclusão de algumas crianças, que têm déficits temporários ou permanentes e em função dos quais apresentam dificuldades para aprender. Esse sistema contrapõe-se à melhoria do ensino nas escolas, pois mantém ativo, o ensino especial, que atende aos alunos que caíram na cascata, por não conseguirem corresponder às exigências e expectativas da escola regular. Para se evitar a queda na cascata, na maioria das vezes sem volta, é preciso remar contra a correnteza, ou seja, enfrentar os desafios da inclusão : o ensino de baixa qualidade e o subsistema de ensino especial, desvinculadae justaposto ao regular.

Priorizar a qualidade do ensino regular é, pois, um desafio que precisa ser assumido por todos os educadores. É um compromisso inadiável das escolas, pois a educação básica é um dos fatores do desenvolvimento econômico e social. Trata-se de uma tarefa possível de ser realizada, mas é impossível de se efetivar por meio dos modelos tradicionais de organização do sistema escolar.

AS PERSPECTIVAS

A escola para a maioria das crianças brasileiras é o único espaço de acesso aos conhecimentos universais e sistematizados, ou seja, é o lugar que vai lhes proporcionar condições de se desenvolver e de se tornar um cidadão , alguém com identidade social e cultural

Melhorar as condições da escola é formar gerações mais preparadas para viver a vida na sua plenitude, livremente, sem preconceitos, sem barreiras. Não podemos nos contradizer nem mesmo contemporizar soluções, mesmo que o preço que tenhamos de pagar seja bem alto, pois nunca será tão alto quanto o resgate de uma vida escolar marginalizada, uma evasão, uma criança estigmatizada, sem motivos.

A escola prepara o futuro e de certo que se as crianças conviverem e aprenderem a valorizar a diversidade nas suas salas de aula, serão adultos bem diferentes de nós, que temos de nos empenhar tanto para defender o indefensável.

 A inclusão escolar remete a escola a questões de estrutura e de funcionamento que subvertem seus paradigmas e que implicam em um redimensionamento de seu papel, para um mundo que evolui a “bytes”.

O movimento inclusivo, nas escolas, por mais que seja ainda muito contestado, pelo caráter ameaçador de toda e qualquer mudança, especialmente no meio educacional, é irreversível e convence a todos pela sua lógica, pela ética de seu posicionamento social.

A inclusão está denunciando o abismo existente entre o velho e o novo na instituição escolar brasileira. A inclusão é reveladora dessa distância que precisa ser preenchida com as ações que relacionamos anteriormente.

Assim sendo, o futuro da escola inclusiva está, ao nosso ver, dependendo de uma expansão rápida dos projetos verdadeiramente embuídos do compromisso de transformar a escola, para se adequar aos novos tempos.

Se hoje ainda são experiências locais, as que estão demonstrando a viabilidade da inclusão, em escolas e redes de ensino brasileiras, estas experiências têm a força do óbvio e a clareza da simplicidade e só essas virtudes são suficientes para se antever o crescimento desse novo paradigma no sistema educacional.

Não se muda a escola com um passe de mágica.

A implementação da escola de qualidade, que é igualitária, justa e acolhedora para todos, é um sonho possível.

A aparente fragilidade das pequenas iniciativas, ou seja, essas experiências locais que têm sido suficientes para enfrentar o poder da máquina educacional, velha e enferrujada, com segurança e tranquilidade. Essas iniciativas têm mostrado a viabilidade da inclusão escolar nas escolas brasileiras.

As perspectivas do ensino inclusivo são, pois, animadoras e alentadoras para a nossa educação. A escola é do povo, de todas as crianças, de suas famílias, das comunidade, em que se inserem.

Crianças, bem-vindas à uma nova escola !

Considerações finais

De certo que a inclusão se concilia com uma educação para todos e com um ensino especializado no aluno, mas não se consegue implantar uma opção de inserção tão revolucionária sem enfrentar um desafio ainda maior : o que recai sobre o fator humano. Os recursos físicos e os meios materiais para a efetivação de um processo escolar de qualidade cedem sua prioridade ao desenvolvimento de novas atitudes e formas de interação, na escola, exigindo mudanças no relacionamento pessoal e social e na maneira de se efetivar os processos de ensino e aprendizagem. Nesse contexto, a formação do pessoal envolvido com a educação é de fundamental importância, assim como a assistência às famílias, enfim, uma sustentação aos que estarão diretamente implicados com as mudanças é condição necessária para que estas não sejam impostas, mas imponham-se como resultado de uma consciência cada vez mais evoluída de educação e de desenvolvimento humano.

Jogos Internos movimentaram a Escola Básica Gaspar da Costa Moraes.

Alunos e Professores da Escola Básica Gaspar da Costa Moraes estiveram envolvidos no último dia do primeiro semestre com os Jogos Internos da Unidade Escolar. O evento foi realizado na praça que se encontra em anexo ao Ginásio Ivo Silveira.

Os alunos de 5ª a 8ª série participaram de jogos de futsal, com as premiações para os atletas.

DIVULGANDO NOSSA ESCOLA NA TV

Os diretores Maria Goreti de Oliveira Ulbricht e Carlos Eduardo Ignácio da Escola Básica Gaspar da Costa Moraes da rede Municipal de Ensino de Itajaí, localizada no Bairro Fazenda, para participarem do Programa TVI  DEBATE, do canal  da TV Itajaí.
        
Formato de mesa redonda, onde durante duas horas os convidados puderam falar sobre vários assuntos relacionados a Educação como um todo e sobre a Escola Gaspar.

Os diretores aproveitaram o espaço para divulgar a Escola e tudo que lá é desenvolvido com a equipe de especialistas e professores. Salientando que os profissionais são habilitados, muitos deles são pós – graduados na área de atuação, e comprometidos com a tão sonhada qualidade da educação. A equipe do Gaspar foi muito elogiada pelo bom trabalho que vem desenvolvendo. Equipe esta, ali representada pela Orientadora Educacional Kátia Teixeira  e pelo Supervisor Escolar Irineu Silva.

Durante o Programa foram abordados os temas como: Violência nas Escolas; Semana de Orientação Educacional onde foram abordados os mais vários temas relacionados com a paz, o respeito, a saúde e o primeiro emprego.

O espaço foi aproveitado para divulgar e convidar a comunidade para prestigiar a VII Feira de Matemática do Gaspar, que acontecerá no próximo dia 18/06 um sábado. Bem como divulgaram o endereço eletrônico do Blog da Escola: escolagaspar.blogspot.com onde os pais e ou responsáveis poderão acompanhar o que se faz de bom na escola, que por falta de espaço coberto, não tem como convidar  todos a participar das atividades na escola.