WORKSHOP DE MÚSICA NO GASPAR

O Programa Cultura e Travessura é uma ação conjunta promovida pelas Diretorias de Educação Infantil e Ensino Fundamental, envolvendo as unidades da Rede Municipal que atuam com crianças de zero a nove anos de idade. Um dos objetivos do programa é desenvolver atividades que favoreçam a apropriação de conhecimentos diversificados, de forma lúdica, ampliando o universo cultural das crianças. E a escola Gaspar da Costa Moraes, nesta 4ª feira, recebeu a visita  de um Workshop de música com grupo da Proarte de Itajaí, um encontro muito divertido com as crianças dos 1º e 2º anos.

TEATRO NO GASPAR: “FOLHETIM”

Apresentaram-se hoje, dia 15 de março, no palco da nossa escola, os atores Valéria de Oliveira e Osmar de Oliveira, integrantes do grupo Porto Cênico, para uma rápida apresentação da peça “Folhetim”.
Folhetim é dedicado ao público adolescente e surgiu a partir da necessidade de oferecer teatro ao público de 7ª, 8ª séries e ensino médio.
Em Folhetim, as cenas acontecem a partir das notícias de um jornal. Os atores se desdobram e se deliciam entre as seções de saúde, anúncios, carta do leitor e, também, saltam às páginas policiais, abordam a política e, por fim, falam das variedades. A dramaturgia, organizada pelo Grupo, é composta de contos, textos de esquetes advindos de autores como Karl Valentim / Groucho Marx / Nelson Rodrigues / Luis Fernando Veríssimo. 
 A proposta do grupo tem por objetivo chegar bem ao gosto do adolescente e, assim, o teatro possa se tornar interessante a este público que, muitas vezes, tem sido esquecido pelo teatro que vai à escola, haja vista que, normalmente, os espetáculos teatrais em ambiente escolar são mais direcionados às crianças das séries iniciais.  A montagem se pretende bem humorada, com bons textos e com uma construção estética acessível.
Os alunos da nossa escola gostaram muito e deram boas gargalhadas.

CAMPANHA CÍVICA

Abraçando a “Campanha Cívica” do Rotary Club de Balneáriu Camboriú, referente ao Hino Nacional Brasileiro, os alunos da 7ª e 8ª séries, com o intuito de resgatar o respeito e o amor que um cidadão deve ter à sua pátria, revelaram patriotamente uma visualização de sua real compreensão do valor cívico, servindo de exemplo a todos. Trabalho desenvolvido pela professora de Português Rita Marta Moreira.
HINO DA INDEPENDÊNCIA
 
Camila dos Santos – 804
 Já podeis, da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.
 
Gabriel Branco – 802

 *** Brava gente brasileira!
Longe vá… temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.


Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil…
Houve mão mais poderosa:
Zombou deles o Brasil.

 
Elisiani dos Santos – 802

***
Não temais ímpias falanges,
Que apresentam face hostil;
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.

***
Parabéns, ó brasileiro,
Já, com garbo varonil,
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil.

***

Mauro de M. Fortunato – 701

Alunos do Gaspar na Exposição Meyer Filho

A Galeria de Arte da Fundação Cultural de Itajaí está recebendo a exposição “Bestiário”, do artista itajaiense Meyer Filho. Estão expostas 39 obras com a curadoria de Kamilla Nunes e sob os cuidados atentos de Sandra Meyer, filha do artista e também co-autora do livro Exercício de Imaginação, que foi doado para a Escola com o apoio do departamento de extensão da UNIVALI de do Projeto PIBID.

Os alunos da Escola Básica Gaspar da Costa Moraes, das turmas de 8ª séries, juntamente com a profª Nara (arte) e os bolsistas do PIBID, tiveram a oportunidade de participar de uma visita monitorada e, também, exercitaram a confecção de diversos híbridos inspirados no artista. 

Meyer Filho costumava dizer que havia sido abduzido por marcianos e que muitas de suas obras seriam de seres e paisagens deste planeta. Em sua caminhada pelo fantástico Meyer se intitulava “embaixador artístico de Marte na Terra”. Além disto, segundo a curadora da exposição, uma possível explicação para a paixão do artista por galos seria por sua convivência de infância com estes animais. Desta mistura fantástica, surgem imagens surreais com muita cor e beleza. Fica muito claro o espírito jovial e alegre do artista, especialmente nas expressões dos personagens que criou, que tem  sempre um semblante suave e tranqüilo. 

O nome da exposição faz referência direta a tendência do artista ao fantástico, cósmico e sideral , que permeiam as obras.  Os alunos que já foram à exposição ficaram encantados pela possibilidade de ver os originais das obras de um grande itajaiense conhecido e reconhecido nacional e internacionalmente.

Exposição de Material Reciclável

 
Nossos alunos visitaram o Viveiro Fazenda Nativa para prestigiarem a exposição de  obras artísticas feitas com pneus do artista plástico Rafael Zaca..

As obras são feitas de madeira, ferro e pneus, despertando muito interesse dos alunos. “Escolhi o pneu porque além de ser ecologicamente correto consigo encontrá-los muito facilmente nas cidades”, explica o artista. Esta exposição conta com lobisomem, guerreiros e animais.

Nos dias 30 de maio e 03 de junho os alunos das turmas 801, 803, 804 e 702 visitaram a exposição, acompanhados pela professora de Arte Nara Crizel Regina Marone. O objetivo da visita foi conhecer o trabalho do artista plástico Rafael Zaca, de Tijucas/SC. O artista usa pneus para fazer esculturas monumentais. Estavam expostas na ocasião as seguintes obras: O Lobisomem, o Puma, o Golias, o Guerreiro das Sombras e o Leão. 

A estrutura de arame, coberta de pneus de diferentes texturas, encantaram a professora e alunos. Foi permitido subir no Leão, o que foi uma verdadeira festa, pois todos queriam subir e fotografar a proeza. “Eu gostei muito do que presenciei no Viveiro. Pude perceber que com arte e reciclagem podemos fazer o que quisermos. O artista nos mostrou isso, apenas com pneus e pedaços de arame ele fez obras impressionantes” (Antony, turma 801)

Rafael já esteve com estas obras expostas em Penha e Tijucas. Além desta coleção específica, o artista plástico produz quadros, esculturas e objetos medievais, desenhos e esculturas em madeira.

As obras fizeram tanto sucesso que o Viveiro Fazenda Nativa decidiu estender a exposição até o dia 8 de julho.

SHOW-AULA

 No dia 26/11/2010 a escola teve o privilégio de receber Arnou de Melo, com o Trio Show-aula: o descortinar da música no ensino fundamental. Através de parceria com a Secretaria Municipal de Educação, o projeto tem como objetivo, divulgar a boa música para os alunos do ensino fundamental, tendo em vista que no próximo ano a música fará parte do currículo escolar.

Os alunos entusiasmaram-se com o repertório, o qual teve:
Antônio Carlos JobimCorcovado
Ary BarrosoAquarela do Brasil
PixinguinhaLamentos
Ivan LinsMadalena
Caetano VelosoLeãozinho
Carlinhos NiehuesAres de Verão
O trio utilizou-se de vários instrumentos, conduzindo no contrabaixo Arnou de Melo, guitarra e violões Daniel Montero, Sopros e percussão Evandro Hasse, contagiando a todos. 
Através desse resgate da música popular brasileira, ou seja, da boa música, é possível contribuir para a melhoria de qualidade de vida dos alunos, ampliando a capacidade de concentração e, consequentemente, favorecendo o bom rendimento no processo de aprendizagem.
Texto da Professora da Sala de Recurso Multifuncional Patrícia Aparecida Antunes de Lima.

Diversidade Cultural

A escola tem a função de formar cidadãos que venham adquirir autonomia, criatividade, que sejam capazes de adaptarem-se às mudanças pluriculturais e que saibam analisar e construir ideias próprias, com consciência de seus direitos e deveres. 
Partindo do pressuposto que todos são capazes de apresentar aptidões naturais e adquiridas, oportunizamos aos educandos atividades de experienciar os seus talentos através de vivências.

Os alunos de 1ª a 4ª séries da Escola Básica Gaspar da Costa Moraes vivenciaram a diversidade trabalhando com a história dos Xulingos, uma cidade de bonecos de madeira que eram discriminados e rotulados por sua classe social. Eles confeccionaram os personagens da história, com material de sucata, e apresentaram suas criações através de teatro de bonecos. Foram montados painéis com as produções escritas.
As turmas de 5ª a 8ª séries trabalharam com os professores explorando o assunto dentro de cada disciplina. Confeccionaram cartazes divulgando a questão do preconceito racial, a riqueza cultural que os africanos trouxeram para o Brasil, como a arte, festas, danças, músicas, culinária, vestuário e objetos decorativos.
Teremos ainda apresentação de dança e música originárias da África.
Todos os trabalhos serão expostos e apresentados no dia 26/11/2010, no horário de aula, no período matutino e vespertino. Estes trabalhos estão sendo realizados para resgatar a atitude de cooperação, responsabilidade, tolerância, sensibilidade, comprometimento, mostrando que é possível conviver com as diferenças sejam elas quais forem, racial, social, emocional, cultural, porque só existe uma raça criada por Deus, a RAÇA HUMANA.

Texto da Supervisora Escolar Adelir Felício Chaves

Arte e Educação – Sala Ambiente

As aulas de Arte e Educação na Escola Básica Gaspar da Costa Moraes, como nas demais escolas da rede municipal de ensino de Itajaí, acontecem uma vez por semana (1 hora/aula), por turma. Este tempo de aula efetiva, apesar de reduzido, tem permitido a produção de trabalhos de grande competência. São disponibilizados materiais artísticos, dos mais variados, uma vez que há especial preocupação com a qualidade do produto final e, ao mesmo tempo, o cuidado de não frustrar as expectativas dos alunos nas suas produções.

Cabe salientar que, para se garantir a qualidade dos trabalhos, a escola disponibilizou uma “sala-ambiente” de arte. Este espaço tem funcionado desde setembro de 2009 e já possui mesas apropriadas, quadro-negro, TV, banheiro, entre outros que asseguram o conforto e autonomia para a professora e alunos. Este local tem se demonstrado apropriado para produzir com criatividade e liberdade de manuseio os diversos materiais, muito por conta do fato dos alunos saírem da sala de aula regular e comparecerem num outro espaço, com uma estrutura diferente, que por si só já tende a facilitar a atenção e o envolvimento. Há possibilidades reais, e é o que acontece, dos educandos desenvolverem tanto o senso de responsabilidade quanto à cooperação, ao ambiente coletivo e sua própria produção, usufruindo muito bem todo o tempo de aula nas atividades propostas.
Numa aula de Arte, não raro, há uma grande produção de resíduos (papel picado, respingos de tinta, etc) e isto é um forte empecilho para que ocorra na sala de aula convencional. Na sala-ambiente basta retirar os alunos e fechar a porta, de modo que o tempo de uma hora é integralmente aproveitado para a produção, fruição e leitura artística.

Texto da professora de Arte e Educação Nara Marone.