Dia do Estudante

O dia do estudante (chamado também de dia do aluno ou ainda dia do discípulo) é comemorado, no Brasil, no dia 11 de agosto. A data foi criada em 1827, em homenagem à fundação dos dois primeiros cursos de ciências jurídicas do país, em 11 de agosto de 1827, por D. Pedro I.

Nesta quinta-feira dia 10, realizamos jogos internos em comemoração ao dia do estudante.

DSC01105 DSC01106 DSC01108 DSC01109 DSC01110 DSC01111 DSC01112 DSC01114 DSC01115 DSC01119 DSC01120 DSC01121 DSC01122 DSC01123 DSC01124 DSC01126 DSC01127 DSC01128 DSC01129 DSC01130 DSC01131 DSC01132 DSC01136 DSC01138 DSC01139 DSC01140 DSC01142 DSC01144 DSC01145 DSC01146 DSC01147 DSC01150 DSC01151 DSC01153 DSC01155 DSC01157

DSC01158 DSC01160 DSC01161 DSC01162 DSC01163 DSC01165 DSC01167 DSC01168 DSC01170 DSC01172 DSC01177 DSC01178 DSC01179 DSC01181 DSC01182

Dia das Mães – 2017

Mãe
Palavra que Deus inventou,
um anjo que à Terra chegou
voando nas asas do amor.
Mãe
Palavra mais doce que o mel
talvez um pedaço do Céu
que Deus transformou em Mulher.

Nesta terça-feira dia 09/05/2017 os alunos do 4º ano matutino e vespertino realizaram uma bela homenagem as mães.

maes 1 maes 2 maes 3 maes 4 maes 5 maes 6 maes 7

maes 8 maes 9

Clique para ver apresentação da turma 402 – Profª Joice

Contos Africanos

O Homem chamado Namarasotha

Uma lenda de Moçambique

Havia um homem que se chamava Namarasotha. Era pobre e andava sempre vestido com farrapos. Um dia foi à caça. Ao chegar ao mato, encontrou uma impala morta. Quando se preparava para assar a carne do animal apareceu um passarinho que lhe disse:

– Namarasotha, não se deve comer essa carne. Continua até mais adiante que o que é bom estará lá.

O homem deixou a carne e continuou a caminhar. Um pouco mais adiante encontrou uma gazela morta. Tentava, novamente, assar a carne quando surgiu um outro passarinho que lhe disse:

– Namarasotha, não se deve comer essa carne. Vai sempre andando que encontrarás coisa melhor do que isso.

Ele obedeceu e continuou a andar até que viu uma casa junto ao caminho. Parou e uma mulher que estava junto da casa chamou-o, mas ele teve medo de se aproximar pois estava muito esfarrapado.

– Chega aqui!, insistiu a mulher.

Namarasotha aproximou-se então.

– Entra, disse ela.

Ele não queria entrar porque era pobre. Mas a mulher insistiu e Namarasotha entrou, finalmente.

– Vai te lavar e veste estas roupas, disse a mulher.

E ele lavou-se e vestiu as calças novas. Em seguida, a mulher declarou:

– A partir deste momento esta casa é tua. Tu és o meu marido e passas a ser tu a mandar.

E Namarasotha ficou, deixando de ser pobre.

Um certo dia havia uma festa a que tinham de ir. Antes de partirem para a festa, a mulher disse a Namarasotha:

– Na festa a que vamos quando dançares não deverás virar-te para trás.

Namarasotha concordou e lá foram os dois. Na festa bebeu muita cerveja de farinha de mandioca e embriagou-se. Começou a dançar ao ritmo do batuque. A certa altura a música tornou-se tão animada que ele acabou por se virar.

E no momento em que se virou, ficou como estava antes de chegar à casa da mulher: pobre e esfarrapado.

Assista a dramatização realizada pelos alunos do 8ºano.

NOTA:
Todo o homem adulto deve casar-se com uma mulher de outra linhagem. Só assim é respeitado como homem e tido como «bem vestido». O adulto sem mulher é «esfarrapado e pobre». A verdadeira riqueza para um homem é a esposa, os filhos e o lar. Os animais que Namarasotha encontrou mortos simbolizam mulheres casadas e se comesse dessa carne estaria a cometer adultério. Os passarinhos representam os mais velhos, que o aconselham a casar com uma mulher livre. Nas sociedades matrilineares do Norte de Moçambique (donde provém este conto), são os homens que se integram nos espaços familiares das esposas. Nestas sociedades, o chefe de cada um destes espaços é o tio materno da esposa. O homem casado tem de sujeitar-se às normas e regras que este traça. Se se revolta e impõe as suas, perde o seu estatuto de marido e é expulso, ficando cada cônjuge com o que levou para o lar. Cumprindo sempre o que os passarinhos lhe iam dizendo durante a sua viagem em busca de «riqueza», Namarasotha acabou por encontrá-la: casou com uma mulher livre e obteve um lar. Mas por não ter seguido o conselho da mulher, perdeu o estatuto dignificante de homem adulto e casado.

http://www.ponto.altervista.org/Lugares/Lendas/namara.html

Kizomba 2016 Escola Básica João Paulo II

O que é Kizomba:

Kizomba é um estilo musical e de dança africana, que surgiu na Angola em meados dos anos 1980. O ritmo nasceu a partir da fusão do semba, do zouk e de outros gêneros estrangeiros, como o merengue e algumas baladas da Música Popular Brasileira (MPB).

Etimologicamente, kizomba é uma palavra que se originou a partir do kinbundo – língua africana que ainda é falada na Angola e que ajudou a construir algumas expressões e termos conhecidos no Brasil – e que significa a “exaltação do povo”, como forma de celebrar a vida e a libertação dos escravos africanos.

A banda angolana “Os Fachos”, formada por integrantes da Força Armada Popular de Libertação de Angola (FAPLA), ficou conhecida como a precursora do kizomba (nos moldes conhecidos atualmente) nos anos 80.

No entanto, as chamadas kizombadas já eram conhecidas desde muito antes. Entre os anos 1950 e 1960, as kizombas eram caracterizadas por serem grandes festas, com misturas de vários gêneros de músicas e danças africanas, como uma forma de celebração à cultura e à liberdade do negro.

O que é o Dia da Consciência Negra:

O Dia da Consciência Negra é uma data celebrada no Brasil no dia 20 de Novembro. Este dia está incluído na semana da Consciência Negra e tem como objetivo um reflexão sobre a introdução dos negros na sociedade brasileira.

O dia 20 de Novembro foi escolhido como uma homenagem a Zumbi dos Palmares, data na qual morreu, lutando pela liberdade do seu povo no Brasil, em 1695. Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, foi um personagem que dedicou a sua vida lutando contra a escravatura no período do Brasil Colonial, onde os escravos começaram a ser introduzidos por volta de 1594. Um quilombo é uma região que tinha como função lutar contra as doutrinas escravistas e também de conservar elementos da cultura africana no Brasil.

Em 2003, no dia 9 de Janeiro, a lei 10.639 incluiu o Dia Nacional da Consciência Negra no calendário escolar. A mesma lei torna obrigatória o ensino sobre diversas áreas da História e cultura Afro-Brasileira. São abordados temas como a luta dos negros no Brasil, cultura negra brasileira, o negro na sociedade nacional, inserção do negro no mercado de trabalho, discriminação, identificação de etnias etc.

Homenagens: